Blog

26/02/2011 17:25

Profissão Operador de Call Center

Marcio Moreira, gerente de atendimento do site Empregos.com.br, fala sobre o perfil do teleatendente e dá dicas para se destacar na área.

 Mais de 1,2 milhão de pessoas trabalham como operadores de call center no Brasil, de acordo com a Associação Brasileira de Telesserviços (ABT). E a previsão para 2011 é que as empresas de call center registrem um crescimento de 10% em geração de empregos, oferecendo aproximadamente 120 mil novos postos de trabalho.

O mercado está favorável e as chances de crescimento profissional na área são certas. Para se destacar, porém, é preciso ser um operador diferenciado que, além de não perder o foco em resultados, tenha boas relações com os seus clientes e sua equipe de trabalho.

Para a maioria das oportunidades de emprego na área basta ter 18 anos, ensino médio completo e conhecimentos básicos de informática. Muitas empresas não exigem experiência e realizam treinamento para preparar o profissional no contato com o cliente.

Em entrevista ao site Empregos.com.br, Marcio Moreira, gerente de atendimento da empresa, fala sobre o perfil do teleatendente que as organizações buscam, salário e dá dicas de como crescer profissionalmente no ramo.

Se interessou pela profissão? Faça uma busca de vagas!

Quais competências as empresas buscam no operador de call center?
Um operador de telemarketing deve ter uma boa comunicação, facilidade de contornar situações no atendimento, ouvir a real necessidade do cliente para resolver o problema, paciência mediante o envolvimento com o cliente e um bom comprometimento.

Quais as dicas para o profissional se destacar na área?
A dica mais importante é gostar do que faz, independente da área de atuação. Tem de ter iniciativa, é preciso ser criativo no dia a dia, mostrar e superar os resultados que são apresentados pela empresa através de metas que são estabelecidas, qualificar-se por meio de cursos para ser um diferencial no grupo, e aproveitar todas as oportunidades que a empresa oferece através de processos internos.

O setor dá oportunidades para profissionais com mais de 40 anos?
Com certeza, essa faixa etária tem uma responsabilidade maior... A questão de flexibilidade de horário, e ainda a possibilidade de concorrer a grandes oportunidades que o call center gera, tanto na operação como em outros departamentos.

Quais os caminhos para o profissional alcançar o cargo de gerente?
É preciso ter experiência do funcionamento de um call center, desde a parte de atendimento, treinamento, recrutamento e seleção, sistemas, parte financeira, comercial... Tudo isso contribui para o profissional concorrer a um cargo de nível hierárquico mais alto.

Qual perfil adequado para os cargos de liderança?
Operados que têm uma boa comunicação e se soltam mais no atendimento, destacando-se por meio de sua empatia, seu relacionamento facilitam a descoberta do seu talento. São pontos a mais. Não significa dizer que os operadores mais introvertidos, que mesmo assim atingem seus resultados e se comunicam bem, não possam participar de processos seletivos internos e até mesmo conquistar uma promoção. Vai depender do perfil que a empresa necessita para determinado cargo ou área.

Qual o salário inicial do operador de call center?
A média do mercado para o profissional sem experiência varia de R$ 500 a R$ 700, para quem tem experiência varia de R$ 600 a R$ 800, sem contar outras realidades que não estão sendo sinalizadas... Hoje em dia tem muito operador bilíngue por conta de as empresas de fora estarem terceirizando serviços no Brasil. Então, os operadores que têm um idioma a mais possuem também uma faixa salarial diferenciada, que não se enquadra nem na primeira nem na segunda situação... O bilíngue ganha entre R$ 900 e R$ 1,2 mil em média.

Há bônus e comissões?
Você pode trabalhar somente no receptivo (quando o cliente entra em contato com o call center) que, de repente, não gera nenhuma comissão, mas pode gerar uma bonificação pela qualidade do atendimento. O valor do bônus é inferior ao da comissão. No atendimento ativo (quando o operador de call center entre em contato com o cliente), dependendo do produto e do cliente, há uma grande possibilidade de obter ganhos superiores a R$ 300, R$ 400, R$ 500 (de comissão).

 

Fonte:Empregos.com.br
Profissão Operador de Call Center

—————

26/02/2011 17:09

7 competências fundamentais na carreira

Visão de negócio, trabalho em equipe e liderança estão entre as características mais buscadas nos profissionais.

Por Rômulo Martins

 

7 competências fundamentais na carreiraQuando consultamos uma vaga em um site de empregos ou outras fontes especializadas, grosso modo, deparamo-nos com os pré-requisitos técnicos exigidos pela empresa para concorrer à oportunidade. Mas uma vez ou outra você já deve ter observado também expressões do tipo ?necessário trabalhar em equipe e sob pressão?. Quando não, os profissionais mais informados e perspicazes vão perceber, durante a fase presencial do processo seletivo, quais as características mais miradas pela organização para ocupar tal cargo.

As competências exigidas vão depender do cargo, área e ramo da empresa, dizem especialistas em carreira e recursos humanos. Mas algumas delas são tão necessárias e importantes que serão requeridas em quaisquer companhias. O sócio-diretor da DRH Talent Search, Carlos Bitinas, e a professora de MBA da Brazilian Business School, Irene Azevedo, falam sobre elas.

1. Visão de negócio
É preciso ?ver além da mesa?, diz Carlos Bitinas. ?À medida que o profissional cresce em sua área de atuação precisa adquirir visão de negócio, ou seja, enxergar o funcionamento do seu departamento, o cliente, a empresa, o mercado?. Quem quer subir degraus na carreira também precisa ter esta competência, afirma Bitinas.

2. Trabalho em equipe
Atividades em grupo requerem aptidão para lidar com gente, que possuem personalidades e modos diferentes de trabalhar. O desafio aqui é alcançar os resultados em grupo, administrando as diferenças, sendo flexível.

3. Liderança
?Existe técnica para liderar?, afirma Bitinas. ?Aqui entra o ingrediente que é o poder de influenciar a relação entre as pessoas, ou seja, conduzir pessoas ou projetos em direção a um objetivo.?

4. Autoconhecimento
O bom profissional deve ter consciência de suas habilidades e pontos frágeis. Segundo Bitinas, é preciso descobrir quais são suas fontes de motivação. O nível de excelência no trabalho depende disso, afirma o sócio-diretor da DRH Talent Search.

5. Atitude (o ?a? do CHA)
O profissional completo reúne o que se chama de CHA (conhecimentos, habilidades, atitude). Para Irene Azevedo, da BBS, o ?a? do CHA, ou seja, a atitude, é uma das principais competências exigidas do profissional hoje.

6. Voltado a resultados
Ninguém sobrevive no mercado de trabalho sem entregar resultados. Salvo os profissionais privilegiados, esta entrega se dá em curto prazo. ?Vale para todas as posições. Quem está no início de carreira não deve deixar de pensar nisso?, diz Bitinas.

7. Resiliência; adaptabilidade
Irene diz que é preciso resiliência para suportar as pressões do mercado de trabalho. É necessário ainda adaptar-se à cultura e aos mecanismos de funcionamento de sua área para sobreviver no mundo corporativo, aponta a professora da BBS.

Fonte:Empregos.com.br

Veja também: como adquirir as competências que as empresas buscam!

 

—————

05/11/2010 07:40

Dicas de emprego

Confira a matérias exclusivas do blog oficial do site www.empregos.com.br que apresentam diversas oportunidades de trabalho.

—————

04/11/2010 20:56

Fique na mira dos recrutadores na internet

Especialista em recrutamento dá 7 dicas para o profissional despertar “holofotes nas redes”.

Por Rômulo Martins
Fonte:Empregos.com.br

Com o alcance da web 2.0 não é preciso mais sair de casa para ser visto e lembrado. As redes sociais se firmaram e, há alguns anos, o relacionamento na internet perpassa os interesses pessoais. Hoje elas são consideradas ferramentas eficazes e efetivas de networking. A web 2.0 é também um filão que desperta cada vez mais a atenção dos profissionais de recursos humanos.  Pesquisa da Robert Half, empresa de recrutamento especializado, revelou que o Brasil é o país onde os empregadores mais utilizam os sites e redes sociais para contratação. O estudo foi realizado em treze países diferentes, com 2.819 executivos, sendo que os Estados Unidos ficaram de fora. No Brasil, 21% das empresas utilizam o meio social da internet para realizarem contratações. Espanha está em segundo lugar (18%). Em terceiro ficam a Itália e a Holanda, ambas com 13% cada uma.

Especialista em recrutamento da divisão de marketing e vendas, Adriana Cambiaghi explica que o uso das redes para contratação não dispensa o modelo tradicional de recrutamento. Porém elas são ferramentas acessíveis e de baixo custo que facilitam a busca por profissionais e auxiliam na identificação de suas trajetórias nas empresas.

“A proposta é chamar a atenção do recrutador para que ele se sinta atraído a conversar com o profissional a partir das informações disponibilizadas nas redes. Por isso, os principais tópicos da carreira devem ser destacados de uma forma completa e não exaustiva”, declara a especialista.

Fique atento às recomendações de Adriana Cambiaghi para fisgar os profissionais de recursos humanos por meio do seu perfil na internet.

1. Separe o profissional do pessoal
Cada rede reporta a um objetivo diferente. O Linkedin, por exemplo, é uma rede estritamente profissional. Já o Facebook é mais usado para gerar relacionamentos pessoais. Preste atenção no formato da rede para utilizá-la de modo apropriado.

2. Não abuse
Cuidado com o que você posta nas redes, mesmo as usadas para fins pessoais. As organizações costumam acessar todos os perfis, principalmente aquelas que atuam no ramo da comunicação, do marketing e afins. Uma foto embaraçosa ou uma opinião extremista pode queimar o seu filme.

3. Não minta
Divulgar informações falsas fere sua imagem profissional. As empresas estão de olho nas redes, portanto, qualquer deslize pode ser fatal. Publique dados relevantes e verdadeiros.

4. Publique apenas o “publicável”
Revelar detalhes dos seus projetos é um perigo. Você pode estar expondo dados estratégicos da empresa. É uma questão séria que certamente leva à demissão. Informe somente seu cargo, principais atribuições e resultados alcançados.

5. Selecione os contatos
Adicionar ou aceitar pessoas a sua rede sem critérios não é uma atitude inteligente e pode ser prejudicial à imagem. Avalie a relevância do contato. Conexões fortes contam ponto.

6. Mantenha o perfil atualizado
Interaja com as suas conexões e alimente a rede. Além das novas experiências e cursos, não se esqueça de informar e-mail e telefone, itens pelos quais o selecionador vai estabelecer contato com você. Cadastrar-se em uma rede e não utilizá-la é o mesmo que não possuir perfil na internet. Novos recursos surgem a todo momento. É preciso familiarizar-se com eles e usá-los a seu favor.

7. Não peque no português
Falhas ortográficas e o mau uso da língua portuguesa ofuscam os recrutadores. Não é necessário escrever em linguagem formal. O profissional deve, no entanto, respeitar a língua. Dica: una objetividade e concisão com estilo.

—————

23/10/2010 15:20

Processo seletivo: a importância da pesquisa inicial

Comece pelo seu currículo.

Antes de atualizá-lo olhe para seu histórico profissional e acadêmico. O que tem te atraído nos últimos anos, quais são suas áreas de interesse, o que te motiva? Você está no caminho certo? Você sabe que área te atrai? Quais seus pontos fortes e quais os pontos a serem melhorados? Responder a estas perguntas nos ajuda a fazer um diagnóstico de nós mesmos e a entender melhor de onde estamos vindo, onde estamos e para onde queremos ir. Só então comece a atualizar o seu currículo. Pesquise modelos de CV atuais, a internet oferece algumas opções para ajudá-lo.

A partir dai a pesquisa continua com um levantamento de pessoas de sua rede de relacionamentos que possam conhecer alguma vaga em aberto. Depois pesquise os sites de empregos. Sei que algumas pessoas têm restrições quanto à sua utilização mas a quantidade de vagas disponíveis é enorme.

Cuidado apenas com a questão do período gratuito que se transforma em pago. Avalie sua eficiência e decida se quer pagar ou não antes de expirar o prazo. Uma dica importante: o segredo para o seu CV ser visto em um site de empregos reside da maneira como você define seu perfil. Muitos destes sites misturam função com setor da economia o que dificulta o cadastramento e obviamente dificulta as empresas encontrarem seu CV.

Continuando sua pesquisa, faça uma lista de empresas em que você gostaria de trabalhar. Aqui vale sonhar mesmo. Escolha 20 empresas. A grande maioria dos sites de empresas hoje possui uma seção Trabalhe Conosco, onde você poderá cadastrar seu CV. E para concluir nossa fase de pesquisa, converse com conhecidos e pesquise empresas de assessoria em recrutamento. Seu CV é uma matéria prima importante e necessária ao bom andamento destas empresas. E tem uma vantagem adicional: nestas empresas você sempre tem alguém para conversar e saber do andamento de seu processo.

Pronto, concluído este levantamento esta na hora de partir para a segunda fase que é a ação: atualize o CV, contate os amigos, cadastre-se nos sites de emprego de seu interesse e cadastre seu CV nos sites das empresas de sua lista. E para concluirmos, na terceira fase, de tempos em tempos devemos parar e avaliar os resultados. Olhar para toda a pesquisa e as ações e verificar o que funcionou e o que não funcionou. E alterar os pontos que não funcionaram para aprimorar o processo e continuar na busca do resultado esperado: o seu novo emprego.

Fonte: Seu Próximo Emprego - blog de Roberto Caldeira

Você poderá ler as novas postagens nesse blog via RSS Feed.

—————